JazzLogical 30 de Janeiro de 2023

O destaque da semana vai para o 13.º Festival Porta-Jazz que irá decorrer de quinta a sábado no Rivoli (porto), e para o concerto do trio do contrabaixista Henri Texier no Auditório de Espinho.


13.º Festival Porta-Jazz
O arranque acontecerá no novo Espaço Porta Jazz, na quinta à noite, com o Ensemble Robalo/ Porta-Jazz, mas todos os restantes concertos decorrerão em várias salas do Rivoli. No Espaço Porta-jazz inaugurar-se-ão também as instalações sonoras de Nuno Trocado, Sofia Sá e Susana Santos Silva.  

Na sexta os concertos começam (Rivoli) às 18.15 com a apresentação do novo disco do trio do prolífico Pedro Neves, «Hindrances».
Seguem-se os Wabjie, um trio de voz, piano, bateria e electrónicas, que vem da Suíça. Uma reinterpretação dos clássicos, talvez, pela voz de Soraya Berent.

Os concertos prosseguem à noite com Gianni Narduzzi "Dharma Bums", disco de 2023. Gianni Narduzzi dirige um quinteto com trombone e saxofone, mais guitarra e bateria e contrabaixo.
E a noite completa-se, ainda no Palco Principal do Rivoli, com outro disco: «Serpente» do veterano Carlos Azevedo, com Miguel Moreira, Miguel Ângelo e Mário Costa. Compositor e arranjador emérito, Carlos Azevedo regressa aos discos vinte e dois anos depois do «Lenda» para grande ensemble, que anteciparia duas décadas à frente da Orquestra Jazz de Matosinhos.
Enfim, para os noctívagos, ela (a noite de sexta) prolonga-se no café do Rivoli com uma jam session.

O sábado recomeça às 16.00 com uma colaboração da Porta-Jazz com o colectivo de artistas (música e artes sonoras, artes plásticas, fotografia, dança, performance, design, arquitetura e cinema) Osso, concretizado em «Interferências».
Multidisciplinar é também «Umbral», o projecto de Nuno Trocado e Jorge Figueira que se segue, associando poesia e música, em disco que foi editado pela Porta-Jazz em 2022.

O trio que abre o módulo que se segue (18.15), vem do Báltico, reunindo dois lituanos e um norueguês-dinamarquês: Liudas Mockūnas, Arnas Mikalkenas e Håkon Berre.
Logo de seguida o Eurico Costa Trio – com Demian Cabaud e Marcos Cavaleiro - recupera «Copal», um disco de 2021, onde o guitarrista explora ambientes mais contemplativos.

Depois do jantar o Festival recomeça com uma encomenda ao pianista Miguel Meirinhos «figura de proa da noiva geração do jazz portuense», à frente de um quinteto onde pontua o saxofonista Joshua Schofield,
A que se segue o duo Alfons Slik, constituído pelos músicos polacos Grzegorz Tarwid e Szymon Pimpon Gasiorek, piano e bateria, uma «arrojada e irónica proposta musical».
E, à semelhança de sexta, a noite prolonga-se numa jam session no Café do Rivoli.

O festival retoma na tarde de domingo (16.00) com os Bode Wilson na apresentação do seu mais recente trabalho, «Aether»: João Pedro Brandão, Demian Cabaud e Marcos Cavaleiro, «numa viagem sonora pelas montanhas do experimentalismo e da improvisação total» à «descoberta de novos caminhos».
E ainda nessa mesma tarde, e à semelhança dos anos anteriores, o Festival leva ao palco um trabalho multidisciplinar resultante da parceria Porta Jazz/ Guimarães Jazz na edição de 2021: «Liquify, Spread and Float», projecto de Inês Malheiro.

A colaboração com o festival austríaco Bezau Beatz traz ao Rivoli o projecto de Alfred Vogel «Into The Big Wide Open», pelas 18.15;
A que se segue o 293 Diagonal, duo constituído por Joana Raquel e Daniel Sousa concretizado em «Membrana» de 2022.

Finalmente, com honras da sala principal do Rivoli, toca o AP Quarteto, em apresentação do enérgico trabalho «Nu» do guitarrista AP: «simplicidade melódica, o rigor formal ou ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade».
Do Acaso «Catarse Civil» resulta do convite da contrabaixista Sara Santos Ribeiro a Sofia Sá; música e literatura executadas por um ensemble de doze músicos, com textos de Hugo Santos e Jorge Santos Ribeiro e composições de Catarina Ribeiro e do trompetista Pedro Jerónimo, e encerra os concertos no festival;
Porque a noite se prolonga no café do Rivoli com a obrigatória jam session.

13º Festival Porta-Jazz: 70 artistas em 17 concertos num «caldeirão de arte, música e humanismo».
3, 4 e 5 de Fevereiro de 2023.


Henri Texier Trio
Uma das glórias do Jazz europeu, o veterano (de 78 anos de idade) contrabaixista Henri Texier, regressa a Portugal, ao Auditório de Espinho, acompanhado do filho, o saxofonista Sébastien Texier, e o jovem baterista Gautier Garrigue. Sem rede, toda a arte nua de três gerações de virtuosos músicos de Jazz. Obrigatório!
Sábado 4.


Continuando a descer (no mapa), o trio de  Liudas Mockūnas, Arnas Mikalkenas e Håkon Berre (que tocam no Rivoli no sábado) toca no Salão Brazil (Coimbra) na sexta à noite.

E no Entroncamento toca Isabel Rato Quinteto, no Ciclo de Jazz do Entroncamento 2023 (Cine Teatro S. João), no sábado 4.

E em Lisboa um dos três concertos programados é uma iniciativa sui generis de O Bom, o Mau e o Vilão (Rua do Alecrim) onde dois trios tocarão alternados: o trio de Ricardo Toscano, Romeu Tristão e André Sousa Machado, e o trio de Carlos Barretto, Mário Delgado e José Salgueiro.
Hoje, segunda, 30 de Janeiro, a partir das 22.00.

O segundo concerto de Lisboa deverá realizar-se no Aguardente (em frente à António Arroio), ao fim da tarde de quinta 2 e contará com o trio Mockūnas / Mikalkėnas / Berre (que também tocará no dia seguinte em Coimbra e depois no Porta-Jazz).

E à mesma hora (19.00) da mesma quinta feira (2) toca no Café Dias (Alto de St. Amaro) o duo de violoncelo e electrónicas de Helena Espvall e Carla Santana.

Finalmente em Almada, no Cine-Incrível, o Quarteto de José Menezes deverá tocar música de Erik Satie. Na quinta 2.

 

Próximos concertos internacionais e festivais:

Festival Porta-Jazz, de 2 a 5 de Fevereiro, 17 concertos, exposição, jam sessions, Rivoli, Porto

Auditório de Espinho:
Henri Texier Trio, 4 de Fevereiro
Les Métanuits, 3 de Março
Orquestra de Jazz de Espinho & Django Bates, 10 de Março
Fred Frith Trio, Auditório de Espinho,
Kurt Rosenwinkel Quartet, 25 de Março

Círculo de Jazz Fest de Setúbal, de 17 a 25 de Fevereiro

Cecile McLorin Salvant no CCB, em Castelo Branco e no Coliseu do Porto, a 17, 18 e 20 de Março, respectivamente

Dave Dougals e Joey Baron Duo na Culturgest Lisboa a 16 de Abril

Brad Mehldau Trio no CCB (2 de Julho) e Casa da Música (3 de Julho)

Mais concertos e informação na Agenda Jazz.

Prosseguindo na publicação das notas que escrevi a propósito dos concertos do ano passado e que estão em falta, segue-se esta semana o Amadora Jazz.
(Os textos sobre o Guimarães Jazz, o Angra Jazz, o Funchal Jazz, o Jazz no Valado, o Festival Porta-Jazz, o Jazz im Goethe-Garten e o Jazz no Parque (Barreiro) de 2022 já estão publicados em JazzLogical.)

 

 
 
 
 
 
 
 

 

Guimarães Jazz 2022
Dianne Reeves
Linda May Han Ho Quartet
Anders Koppel, Benjamin Koppel and Martin Andersen
Hamid Drake
Big Band da ESMAE dirigida por Victor Garcia
Mané Fernandes (Projecto Porta-Jazz/ Guimarães Jazz)

Angra Jazz 2022
Orquestra AngraJazz
Joe Dyson Quintet
Pedro Moreira Sax Ensemble
Samara Joy
Belmondo Quintet
Guillermo Klein Y Los Guachos
Textos de Paulo Barbosa e Leonel Santos
Funchal Jazz 2022
Cécile McLorin Salvant
Orquestra de Jazz do Funchal & Mário Laginha
Immanuel Wilkins Quartet
Joel Ross
Jorge Borges
Bruno Santos Almmond 3
Décio Abreu 4teto
Vânia Fernandes
Ricardo Dias 5teto
12.º Festival Porta-Jazz
Manuel Linhares
Coreto
Vera Morais e Hristo Goleminov
Ensemble Robalo/ Porta-Jazz
Joana Raquel e Miguel Meirinhos
Puzzle 3
Demian Cabaud
Hugo Raro
25.º Festival de Jazz do Valado de Frades
Carlos Azevedo Quarteto
André Murraças Quarteto
Pedro Moreira Sax Ensemble
Diogo Alexandre Bock Ensemble
Jazz im Goethe-Garten 2022
Carlos Bica, Daniel Erdmann, DJ IllVibe
Jazz no Parque, Barreiro
Miguel Ângelo Quarteto
Julia Hulsman Quartet
Kurt Rosenwinkel Trio
Amadora Jazz
Bill Frisell Trio
Craig Taborn

 
       
   

Jeff Beck,, 1944 - 2023

   
   

Mick Goodrick, 1945 - 2022

   
   

Matthias Winckelmann 1941 - 2022

   
   
50 anos Cascais Jazz
O Cascais Jazz n'A Capital
O Cascais Jazz no República
O Cascais Jazz de 1971 em All Jazz n.º2, 2002
O Cascais Jazz no Diário de Lisboa
 

Os CDs:

 
 

Quotes

Jazz is to music what humor drawing is to painting

Duke Ellington

 

 

Conferência «As Mulheres e o Jazz», 7 de Dezembro 2018, ISCTE, Lisboa, Leonel Santos

Integrada na Conferência Internacional
«Mulheres, Mundos do Trabalho e Cidadania – Diferentes Olhares, Outras Perspetivas»,
ISCTE 6 e 7 de Dezembro 2018

 

Exposição «O Jazz na Banda Desenhada»

Hot Club de Portugal - 15 de Setembro 2021 - 31 de Março de 2022

 
E no Funchal Jazz, de 4 a 10 de Julho
Introdução
Autores e obras exibidos
Will Eisner
Siné
Cabu
Alcimar Frazão
Antonio Pamies
Robert Crumb
Harvey Pekar
JazzBanda
José Carlos Fernandes
Sualzo
Loustal & Paringaux
Gonzàlez & Altuna
Youssef Daoudi
Muñoz & Sampayo
Jose Muñoz
Guido Crepax
Sergio Toppi
BD Jazz
Esta exposição também pôde ser visitada no Auditório Municipal Augusto Cabrita - Barreiro de 30 de Abril a 31 de Julho de 2022
  Curadoria de Leonel Santos
 

 

O gato escarninho

 

O Jazz nos livros em Portugal

8. Jazz Moderno

                 
 

Pedidos para a newsletter Agenda Jazz:

jazzlogical@gmail.com