JazzLogical 2 de Agosto de 2022

 

E porque é Agosto e está muito calor,

o destaque desta semana vai para o Jazz em Agosto,
os concertos de Jazz do 13º Festival das Artes QuebraJazz
e do André Carvalho «Lost in Translation no Hot Club.


Do Festival das Artes QuebraJazz, há a destacar o trio do Diogo Alexandre, com Mané Fernandes e Zé Almeida na sexta 5, Escadas Quebra Costas ;

Necessário no Jazz em Agosto é o concerto do Borderlands Trio, com com Kris Davis, Stephan Crump e Eric McPherson, sábado 6, Anfiteatro ao Ar Livre, Gulbenkian
mas também o João Lencastre’s Communion, quinta 4,
e o John Zorn New Masada Quartet, domingo 7.
Sobre o Jazz em Agosto, ler aqui.  

E finalmente os concertos do contrabaixista André Carvalho, na apresentação de «Lost in Translation», no Hot Club de quinta a sábado.

E, para quem estiver de férias no Algarve (ou lá viver), talvez seja interessante (do que ouvi na internet) ir a Olhão no domingo ao fim da tarde ouvir «Música Nocurna». No Cantaloupe Café.

Ou deixem-se ficar à sombra a ouvir discos e a beber cerveja.


Na Agenda Jazz já estão
o Festival das Artes QuebraJazz (Coimbra, Julho-Agosto)
o Jazz em Agosto (Lisboa, Julho-Agosto)
e o Angra Jazz (Angra do Heroísmo, Outubro)

Mais concertos e informação na Agenda Jazz

 

Funchal Jazz 2022
 
 
Jean-Louis Comolli
1941 - 2022
 
     
 
Paulo Gil
 
 
1937 - 2022
 
 

A que horas começa o primeiro set?

Olá! Cheguei! – a voz trovoou entre as nuvens, batendo na porta do guichet e no olhar assarapantado do anjo de turno.
Nome e morada, por favor – perguntou, já burocraticamente refeito.
Deixa-o a entrar – disse Pedro, o capataz, sentado na nuvem mais distante e sem levantar os olhos das Escrituras – É o Paulo!
***
Num instante o céu alvoroçou-se. Na sala dos steinways, Bábá deixou um bolero em suspenso, Marcos fechou o fender sobre um samba de uma nota só e Canelhas adiou a pergunta sobre um acorde do bolero de Sassetti que o intrigava. Paulo foi recebido com tantos abraços e !!!s que deixou cair as baquetas que trazia no bolso do casaco.
Mais longe, Sangareau sorriu e Jean Pierre fez stop no vídeo de Belarmino enquanto, a seu lado, Manuel Jorge pousava o iPad, interrompendo a leitura das notícias, e puxava mais um abraço: Sempre a considerá-lo! E sem interrupções: então, quais são as últimas lá de baixo?
Tudo na mesma, o Benfica perdeu, respondeu Paulo com um sorriso maquiavélico. Manuel Jorge deu um pontapé na tarola mais perto. Cuidado com o material – gritou Pedro, o capataz.
Mas a malta continua a nascer como cogumelos – continuou Paulo numa avalanche em crescendo. Só na última semana ouvi meia dúzia de saxofonistas, 4 trompetistas, 2 trombones, um vibrafone, 3 baterias, 8 contrabaixos, 7 pianos, 2 big bands e – rindo – nenhum guitarrista! Ah! e 33 cantoras, claro… E sabem tudo!
Como no nosso tempo… galhofou Manuel Jorge. O problema é encontrar palcos para pô-los a tocar.
Muitos deles já estão apalavradas para Valado de Frades – informou Paulo.
Este ano há Seixal? – interrogou Mendonça, sentado numa nuvem mais abaixo. Claro, que é que esperavas?, respondeu Paulo.
Vê lá se te fazem o mesmo que a mim no Estoril. – voltou Mendonça – Isto está é para os tipos que não gostam de jazz. Ainda ontem li que vão uns suiços ao Goethe tocar “uma música hipnótica e hipnotizante que vai tornar os jardins num spa ao ar livre”…
Quando as gargalhadas abrandaram, apareceu Rui Cardoso: Oh pá!, estava a ver que nunca mais vinhas! Na nuvem dos saxofones, às voltas com um rico, Jorge Reis riu-se: agora é que acabou o descanso… Discreto como sempre, Nuno Gonçalves deitou o contrabaixo: A secção rítmica já está completa.
E Paulo de repente: E o Villas? Onde é que anda o Villas?
Fala baixo – sussurraram os irmãos Mayer. – O Villas continua a ver se consegue que o Governo Divino lhe aprove os estatutos do Hot Heaven. Não está fácil…
Estás com um ar cansado, atirou-lhe Cardoso. Foi da despedida – contou Paulo, de rosto iluminado – acabámos numa jam, família e amigos, a cantar “I’ll be seeing you in old familiar places…”
Foi bonita a festa, pá – riu-se Marcos.
***
Então o primeiro set nunca mais começa? – perguntou Paulo.
Está atrasado – disse Pedro, tilintando as chaves da porta de entrada.
Ah, ah ah! – gargalhou Paulo – Parece a Praça da Alegria… Estou em casa!

António Curvelo (19 Maio 2022)

RIP

 
 
Jack Kerouac
1922 - 1969
 
50 anos Cascais Jazz
O Cascais Jazz n'A Capital
O Cascais Jazz no República
O Cascais Jazz de 1971 em All Jazz n.º2, 2002
O Cascais Jazz no Diário de Lisboa
 

Concertos 2022


Coreto, Demian Cabaud, Hugo Raro
...

Os CDs:

 
 

Quotes

I know not with what weapons World War III will be fought, but World War IV will be fought with sticks and stones.

Albert Einstein

 

 

Conferência «As Mulheres e o Jazz», 7 de Dezembro 2018, ISCTE, Lisboa, Leonel Santos

Integrada na Conferência Internacional
«Mulheres, Mundos do Trabalho e Cidadania – Diferentes Olhares, Outras Perspetivas»,
ISCTE 6 e 7 de Dezembro 2018

 

Exposição «O Jazz na Banda Desenhada»

Hot Club de Portugal - 15 de Setembro 2021 - 31 de Março de 2022

 
E no Funchal Jazz, de 4 a 10 de Julho
Introdução
Autores e obras exibidos
Will Eisner
Siné
Cabu
Alcimar Frazão
Antonio Pamies
Robert Crumb
Harvey Pekar
JazzBanda
José Carlos Fernandes
Sualzo
Loustal & Paringaux
Gonzàlez & Altuna
Youssef Daoudi
Muñoz & Sampayo
Jose Muñoz
Guido Crepax
Sergio Toppi
BD Jazz
Esta exposição também pôde ser visitada no Auditório Municipal Augusto Cabrita - Barreiro de 30 de Abril a 31 de Julho de 2022
  Curadoria de Leonel Santos
 

 

O gato escarninho

 

O Jazz nos livros em Portugal

8. Jazz Moderno

                 
 

Pedidos para a newsletter Agenda Jazz:

jazzlogical@gmail.com